Sexta, 23 de Outubro de 2020 20:55
(42)9 9998-8983
Geral CEJUSC

Cuidando do próximo e trocando experiências inovadoras entre Comarcas

Um evento organizado pela pedagoga do Fórum de Rebouças, Erlindes Valigura, reuniu dois pensadores e executores de ações de atendimento ao próximo.

15/10/2020 13h02
Por: Ronaldo Mochnacz Fonte: Reprodução da transmissão do Facebook do CEJUSC e texto CEJUSC

Um evento organizado pela pedagoga do Fórum de Rebouças, Erlindes Valigura, reuniu dois pensadores e executores de ações de atendimento ao próximo. Em comum, o posto de juízes, a coordenação de um Centro Judiciário de Solução de Conflitos (CEJUSC) e o interesse de compartilhar experiências, visando melhorar a vida do próximo. Resultado: pessoas que atuam com crianças e adolescentes com subsídios e conhecimento.

"Articulação para Adoção de Medidas Concretas na Garantia dos Direitos da Criança e Adolescentes" foi o tema, em parceria com o CEJUSC de União da Vitória, de palestras dos juízes: Laryssa Copack Muniz de Ponta Grossa e Carlos Mattioli de União da Vitória. O público, formado por servidores de organismos públicos relativos ao atendimento de crianças e adolescentes, desfrutou de informações fundamentais ao trabalho.

Laryssa frisou a importância do fortalecimento da rede de apoio. A juíza pontagrossense destacou o cuidado relativo ao ser humano. "A Era do Cuidado" parecer ter uma associação com a pandemia da Covid-19. Citado por ela, o caso de uso da máscara, como símbolo deste tempo, para proteger o outro. Por trabalhar nesta rede de proteção de apoio, estes anseios por cuidados ficam mais presentes, de acordo com a magistrada.

“Cuidar tem a ver com refletir, pensar com o outro”, observou. O entendimento da juíza, referência em justiça restaurativa, é da necessidade que um ser humano tem do outro. Na sensibilidade, espiritualismo e cuidado. A pandemia, segundo ela, pode estar represando crimes, abusos e demais questões de violência, inerentes ao papel fundamental da escola, com aulas suspensas. Sendo tudo isso, ainda uma incógnita.

O cenário do próximo ano é incerto, sem se saber o real reflexo. A tendência é de que muitas demandas apareçam, no retorno ao convívio escolar. Uma das prerrogativas da justiça restaurativa é de ‘estarmos preparados para o pós-pandemia’. Entender as questões e ter respostas para estas situações será a práxis das Varas de Família e CEJUSC, no entendimento da magistrada ao compartilhar suas experiências.

Carlos Mattioli, que coordena o CEJUSC de União da Vitória, falou após a colega de magistratura. Para ele, a palestra ‘não foi para ensinar ninguém e sim para compartilhar experiências adquiridas no seu trabalho’, de gabinete aberto para a sociedade. Nos 34 projetos que estão sobre sua tutela, o juiz frisou a busca de ‘alternativas para soluções criativas’. Tudo se colocando ao lado, e estabelecendo parcerias, com órgãos públicos e sociais.

Para transformar a realidade à sua volta, numa atuação em rede frente ao trabalho com crianças e adolescentes, segundo o juiz é necessário postura diferenciada. Diante das dificuldades, o entendimento de Carlos Mattioli é de que tem de se ‘reformatar o trabalho’. Ele compartilhou suas experiências, de bater sola de sapato para estar (antes da pandemia) em meio ao povo, para se aproximar de suas realidades, saindo do gabinete no Fórum.

Desde a adaptação de linguagem até a organização de postos avançados, em General Carneiro, Bituruna e Cruz Machado, são elementos deste trabalho. Por serem do interior, zona rural, o deslocamento é penoso para chegar até o Fórum em União da Vitória. Nestes postos municipais a situação é facilitada, proporcionada em parceria com o Tribunal de Justiça (TJ), por meio da Vara da Família sob a tutela de Mattioli e os municípios.

Tanto a Vara da Família quanto a Promotoria, atuam neste sentido de facilitar o acesso aos serviços da Justiça. Iniciado pelo combate à evasão escolar, os trabalhos foram se ampliando. Veio o CEJUSC, perfazendo atualmente os 34 projetos. Ao relatar as experiências, o juiz explanou sobre as tratativas e ajustes que vieram sendo trabalhados, tudo agindo em rede: Conselho Tutelar, Saúde, Educação e demais setores.

No campo do trabalho preventivo, exemplo da evasão escolar detectada nos primeiros meses de aula e ações para o retorno, com orientação prévia e advertência tanto dos riscos quanto da importância da educação. Esta iniciativa, bem como, as demais, se mantiveram e foram ampliadas durante a pandemia. Caso da Rede de Apoio CEJUSC/Coronavírus (RAC) que prestou mais 380 atendimentos psicológicos nos últimos sete meses.

O evento foi dirigido para a rede de proteção de Rebouças, pela Comarca que atende também Rio Azul, e fomentou a base de informações para os trabalhos locais. Ao final, Carlos Mattioli sugeriu um planejamento amplo de ações, a partir de uma reunião geral para estabelecer prioridades. Criar um fluxo e articulando com a justiça a projeção de soluções. Esta foi a sugestão do juiz para os municípios implementarem em 2021.

Ainda durante a transmissão pelo Facebook do CEJUSC de União da Vitória e até após o término, muitos comentários perfizeram a rede social. “Parabéns pela explanação, humanizada e acolhedora”, enalteceu componente da rede da Comarca de Rebouças. “Muito obrigada! Foi excelente a fala! (sic). Só elogios por aqui!”, afirmou outra. Para Mattioli, “satisfação por colaborar com a Comarca vizinha, com as experiências”.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
União da Vitória - PR
Atualizado às 20h48 - Fonte: Climatempo
21°
Poucas nuvens

Mín. 14° Máx. 26°

21° Sensação
13.1 km/h Vento
67.6% Umidade do ar
90% (10mm) Chance de chuva
Amanhã (24/10)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 15° Máx. 26°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Domingo (25/10)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 16° Máx. 25°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Ele1 - Criar site de notícias